Teo Costa AVCB
Empresas Venderem Google Licitações Ligações AVCB
Fazemos Empresas Venderem via
Google, Licitações e Ligações e ++

Acordos comerciais internacionais e licitações globais competitivas: o que você precisa saber

Para qualquer gestor de captura ou licitação que tenha assumido uma nova função numa multinacional ou numa empresa que conduz negócios internacionalmente, é essencial compreender os acordos comerciais internacionais. Estes acordos tornaram-se decisivos na garantia de contratos num mercado global, tendo aberto uma série de novas oportunidades além-fronteiras. Mas também colocam potenciais desafios, pelo que saber como aproveitar os acordos comerciais para uma licitação bem-sucedida é útil para saber como navegar neles.

Compreendendo os acordos comerciais

Acordos comerciais são pactos juridicamente vinculativos entre dois ou mais países ou regiões que estabelecem os termos e condições para comércio e negócios. Esses acordos visam reduzir ou eliminar barreiras ao comércio, como tarifas, cotas de importação e obstáculos regulatórios, promovendo um ambiente de negócios mais aberto e previsível.

De acordo com o Fórum Económico Mundial, houve um  crescimento de 400% no valor do comércio global desde que o Acordo Global sobre Tarifas e Comércio removeu numerosas barreiras e quotas comerciais em 1947 .

Os principais objetivos destes acordos são:

  • reduzir ou eliminar tarifas e outras barreiras ao comércio de bens e serviços entre os países participantes
  • estabelecer regras e diretrizes para questões como direitos de propriedade intelectual, investimentos, compras governamentais e outras áreas relacionadas ao comércio.
  • promover a concorrência leal e criar um ambiente comercial mais previsível e transparente para as empresas.

Alguns tipos principais de acordos comerciais internacionais incluem:

1. Acordos comerciais multilaterais:
– Acordos da Organização Mundial do Comércio (OMC), como o Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio (GATT), o Acordo Geral sobre Comércio de Serviços (GATS) e o Acordo sobre Aspectos dos Direitos de Propriedade Intelectual Relacionados ao Comércio ( VIAGENS).
– Estes acordos estabelecem regras globais para o comércio entre os 164 países membros da OMC.

2. Acordos comerciais regionais:
– Acordos de livre comércio (ALCs) entre grupos de países para eliminar tarifas e estabelecer regras comuns, por exemplo, Acordo de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA), União Europeia (UE), etc.
– Uniões aduaneiras onde os membros aplicam as mesmas tarifas às importações de não membros, por exemplo, a União Aduaneira da UE.

3. Acordos comerciais bilaterais:
– Acordos comerciais entre dois países, por exemplo, os EUA têm ALCs bilaterais com países como Cingapura, Austrália , etc.
– Tratados bilaterais de investimento (TBIs) focados em proteger investimentos de empresas de um país no outro país.

Os benefícios dos acordos comerciais incluem maior acesso ao mercado, custos reduzidos para importadores/exportadores, proteção da propriedade intelectual e regulamentações mais previsíveis. No entanto, eles também envolvem regras complexas, como regras de origem, que os exportadores devem cumprir.

Benefícios setoriais: a vantagem competitiva do comércio internacional

Os acordos de livre comércio (FTAs) oferecem benefícios significativos para aquisição ao reduzir barreiras ao comércio internacional e investimento entre países participantes. Há vários setores-chave que se beneficiam significativamente desses acordos:

1. Desenvolvimento internacional : Os acordos comerciais abrem novos mercados para os países desenvolvidos para apoiar o crescimento económico sustentável dos países em desenvolvimento e garantir que ninguém seja deixado para trás. Por exemplo, os Acordos de Parceria Económica da UE com os países de África, das Caraíbas e do Pacífico visam promover o desenvolvimento através do comércio; e a Comissão das Nações Unidas para o Direito Comercial Internacional (UNCITRAL) desempenha um papel fundamental no desenvolvimento desse quadro na prossecução do seu mandato de promover a harmonização progressiva e a modernização do direito do comércio internacional.

2. Construção : Grandes projetos de infraestrutura geralmente envolvem consórcios internacionais alavancando acordos comerciais. Em 2020, um consórcio da Vinci, Ferrovial e BAM da Europa ganhou um projeto de rodovia holandesa de € 1,4 bilhão, beneficiando-se do mercado integrado da UE.

3. Ferrovia : Os fabricantes e fornecedores de ferrovias podem expandir as exportações para novos mercados através de acordos comerciais. Em 2021, um consórcio europeu-japonês que incluía a Alstom e a Hitachi ganhou um contrato ferroviário de £ 2,8 mil milhões no Reino Unido, citando a capacidade de cumprir as normas ambientais ao abrigo do pacto comercial Reino Unido-UE.

4. Agricultura : Os agricultores e produtores de alimentos obtêm melhor acesso ao mercado através da redução de tarifas e quotas em acordos comerciais. O Acordo Abrangente e Progressivo para a Parceria Transpacífico (CPTPP) impulsionou o comércio agrícola entre membros como Austrália, Canadá e Japão.

5. Fabricação : Os fabricantes podem obter insumos de forma mais econômica e exportar produtos acabados para novos mercados. O uso limitado de acordos comerciais pela China permitiu que ela protegesse indústrias domésticas como têxteis, enquanto exportava para mercados nos termos da OMC.

6. Serviços : Os acordos comerciais abrangem cada vez mais o comércio de serviços, beneficiando setores como finanças, telecomunicações e TI. O Acordo de Parceria Económica UE-Japão oferece novas oportunidades aos prestadores de serviços europeus no Japão.

7. Comércio digital : acordos comerciais digitais emergentes facilitam fluxos de dados transfronteiriços e e-commerce. O Acordo de Parceria de Economia Digital entre Chile, Nova Zelândia e Cingapura define novas regras para a era digital.

Embora alguns setores possam enfrentar maior concorrência, os ganhos econômicos gerais dos acordos comerciais são substanciais, com países em desenvolvimento, infraestrutura, manufatura, agricultura, serviços e comércio digital entre os maiores beneficiários. Alavancar esses acordos é essencial para empresas e países impulsionarem exportações e competitividade.

Fonte: Tudo o que você precisa saber sobre Acordos Comerciais – ResearchFDI

Alavancando acordos comerciais em licitações

Os acordos comerciais podem ter implicações significativas para os processos de licitação e oferecer várias vantagens para empresas que buscam participar de licitações internacionais. Esse é frequentemente o caso com licitações de consórcios internacionais em compras públicas. Nesses casos, os consórcios conseguem reunir recursos, compartilhar riscos e alavancar expertise complementar para entregar contratos complexos. As autoridades avaliam as licitações dos consórcios com base no valor pelo dinheiro, mérito técnico e alinhamento com objetivos de política.

Embora os acordos comerciais apresentem oportunidades interessantes, é importante cumprir os regulamentos relevantes e estar ciente dos pontos de controle:

1. Regras de origem: Entenda as regras que determinam se um produto ou serviço se qualifica para tratamento preferencial sob um acordo comercial. O não cumprimento pode resultar em multas e penalidades.

2. Requisitos de documentação: Garantir que a documentação adequada, como certificados de origem e documentos de embarque, esteja em vigor e seja precisa para evitar problemas de conformidade.

3. Requisitos de conteúdo local: alguns acordos comerciais podem ter requisitos de conteúdo local, exigindo que uma certa porcentagem de bens ou serviços seja proveniente dos países participantes.

4. Normas ambientais e laborais: Os acordos comerciais incluem frequentemente disposições relacionadas com a protecção ambiental e os direitos laborais, às quais os proponentes devem aderir.

5. Direitos de propriedade intelectual: familiarize-se com as disposições de direitos de propriedade intelectual em acordos comerciais para proteger suas inovações em mercados estrangeiros.

6. Acordos comerciais digitais: O aumento de acordos comerciais digitais abrangendo áreas como localização de dados, assinaturas eletrônicas e regulamentação de IA é uma tendência emergente a ser observada.

7. Medidas anticoercitivas: A UE propôs um novo instrumento que lhe permitiria tomar contramedidas contra interferência estrangeira.

8. Regulamentação de subsídios estrangeiros: A UE está cada vez mais preocupada com o potencial de subsídios concedidos por governos de países terceiros distorcerem a concorrência no mercado único da UE, o que levou a propostas de ampla divulgação de contribuições financeiras recebidas de governos de países terceiros.

9. Reciprocidade nas aquisições: O Instrumento Internacional de Contratação Pública da UE visa aumentar a reciprocidade no acesso às aquisições públicas, exigindo potencialmente penalidades de preços ou exclusões de propostas de fornecedores em países com práticas de aquisição restritivas ou discriminatórias.

10. Tendências específicas do sector: Monitorizar as tendências e regulamentações específicas do sector nos acordos comerciais, uma vez que as disposições podem variar entre indústrias, como a agricultura, a indústria transformadora, os serviços e o comércio digital.

governo de Victoria tem um guia muito simples para acordos comerciais internacionais em compras de construção, que vale a pena ler se você quiser se atualizar rapidamente.

Principais conclusões para os licitantes

Alavancar estrategicamente acordos comerciais pode aumentar muito a funcionalidade e o impacto das compras públicas, unindo a transparência com práticas competitivas e contribuindo para o desenvolvimento, tudo isso enquanto acomoda metas de política industrial local. Esse alinhamento pode energizar reformas de compras ao sincronizar defensores de reformas, empresas nacionais e interesses comerciais globais.

Os acordos comerciais proporcionam frequentemente às empresas privadas acesso a mercados de contratos públicos normalmente exclusivos de entidades locais, promovendo assim condições de concorrência equitativas entre os países membros, conforme demonstrado em acordos como o CETA. Isto abre oportunidades de aquisição e pode levar a ambientes de licitação mais competitivos. As tarifas podem constituir uma despesa significativa na licitação de projetos; no entanto, os acordos comerciais oferecem frequentemente reduções ou eliminações tarifárias para materiais provenientes de países membros, reduzindo assim os custos de licitação. Além disso, procedimentos aduaneiros simplificados e acelerados entre os parceiros do acordo comercial asseguram importações atempadas de bens essenciais, o que garante prazos de projecto fiáveis. Estes acordos também podem reconhecer normas e certificações mútuas, facilitando a participação em projectos no estrangeiro que exijam o cumprimento destas normas.

Direitos de Propriedade Intelectual (DPI) são ativos vitais, particularmente em setores movidos à inovação, como tecnologia e produtos farmacêuticos. Acordos comerciais servem para salvaguardar esses direitos através das fronteiras, dando às empresas a confiança para licitar usando seu conhecimento proprietário. Além disso, os provedores de serviços se beneficiam da capacidade de oferecer serviços transfronteiriços, como engenharia ou consultoria jurídica, muitas vezes sem a necessidade de estabelecer operações locais. Cláusulas de proteção de investimento também são inestimáveis, garantindo que investidores estrangeiros se sintam seguros contra o risco de expropriação ou medidas discriminatórias, especialmente para empreendimentos de longo prazo que exigem capital inicial substancial.

Outra vantagem é o cumprimento das regras de origem, que pode permitir aos licitantes obter tratamento preferencial para otimizar os custos da licitação. Além disso, os mecanismos de resolução de litígios oferecem recurso contra desigualdades ou obstáculos encontrados durante o processo de concurso, o que pode aumentar a confiança dos proponentes. Alguns acordos comerciais até ajustam os requisitos de conteúdo local, oferecendo uma vantagem competitiva adicional aos licitantes dos países membros em detrimento dos participantes não membros.

Para as empresas que concorrem a concursos internacionais, é essencial compreender e capitalizar os benefícios dos acordos comerciais. A formação de parcerias com entidades de países com acordos comerciais pode consolidar pontos fortes, mitigar riscos e amplificar vantagens competitivas em mercados desconhecidos. As empresas devem permanecer vigilantes ao afluxo de concorrentes nos seus próprios territórios e adaptar as suas estratégias para enfatizar as suas vantagens únicas.

Deixe um comentário